A Vida de Uma Canção

0

Olá, meus queridos leitores, tudo bem?

Se uma coisa me faz pensar é sobre a própria existência. Assim como nós, todas as coisas passar a existir, a partir de um certo momento. Nós somos assim, nascemos, existimos, morremos. Mesmo achando que não e mesmo sabendo a matéria vai embora, podemos atingir a imortalidade com o legado que deixamos, durante nossa passagem por essa vida. Aí depende de cada um, como quer ser lembrado ou não. Várias coisas podem nos eternizar, podemos construir um edifício, escrever um livro, outra das várias formas de arte, uma descoberta científica, uma contribuição para sua comunidade, sociedade, uma música, uma canção…

1373521-bigthumbnail

Como um Filho

Ela surge de várias formas possíveis. Muitos compositores dizem se sentir como se estivesse psicografando, outros sentem uma energia externa, outros param mesmo para pensar. Mas o primeiro passo é a ideia, a inspiração. Nesse momento a criação é concebida, os pensamentos vêm, vezes embaralhados, outras vezes numa nitidez surpreendente. Muitas vezes, sentimos um desconforto, uma vontade de dizer algo, principalmente quando estamos sob uma emoção forte. As palavras estão vindo, junto com elas, um ritmo, que pode ser claro ou não, mas estão vindo. O coração acelera, já me peguei chorando, do nada, sem saber e, ao mesmo tempo, sentindo. As rimas, as frases, os versos… Nasceu. Ela é sua, sua filha. Os parentes mais próximos, os amigos, vão conhecer mas, sem antes, colocar o nome da criança. Alguns nomes não têm nada a ver ou são totalmente diferentes mas, na maioria das vezes, é a ideia mais importante da canção. Pronto, e agora?

Certidão de Nascimento

Agora a brincadeira vai ficar séria. Depois de composta, a música precisa ser registrada para que você não seja roubado, alguém se apodere da canção ou de trechos para fazer uma outra música ou até alegar ser o pai da menina. O “cartório” mais certo é o que se chama de Editora. Primeiro, o compositor se filia a uma editora e, depois de filiado, ele poderá registrar todas as suas obras musicais. Assim, ele será (ou deveria ser) sempre lembrado, ou seja, sempre que essa música tocar, o compositor deverá (ou deveria) receber os seus direitos autorais, os direitos de paternidade da criança. Eu sou filiado a Socinpro, quem cuida de todos os meus registros. Pronto, as pessoas já podem cantar ou ouvir sua canção mas não paramos por aí.

Para que a música que foi feita por você seja ouvida nas rádios, nos discos qualquer outra forma de mídia, é preciso que ela seja gravada, certo? Então teremos outro passo, um novo passo, ou novos passos na vida da nossa bela canção. Essa parte, poucas pessoas conhecem e eu lhes apresento o…

Fonograma

Fonograma é como se fosse a sua filha usando uma determinada roupa. Por exemplo:

“Fecho os olhos pra não ver passar o tempo

Sinto falta de você

Anjo bom, amor perfeito no meu tempo

Sem você não sei viver”.

Essa música, Amor Perfeito, foi composta por Roberto Carlos, ele é o pai a criança. Mas ela foi gravada por ele mesmo (um fonograma), pelo Babado Novo (outro fonograma), Chiclete com Banana (outro fonograma diferente), CPM 22 (outro diferente ainda), entre outros. Perceberam? Cada gravação dessa é um fonograma diferente. O Próprio pai vestiu a música com uma roupa mais romântica, Babado Novo vestiu com outra roupa (outra roupagem), mais axé, o Chiclete já vestiu a menina logo com um abadá, estilo vou de micareta, o CPM 22 colocou uma roupa preta na menina e a fez roqueira.

E para quê serve isso. Isso serve para identificar todos os envolvidos na construção da roupa que deram à canção. Assim como a música recebe um número de registro, como uma certidão de identidade, cada fonograma vai receber um registro. Nesse registro, contém todas as informações sobre o fonograma, desde o compositor da música, os músicos que gravaram aquela versão, o editor do fonograma, tudo. Aí sim, a música que toca na rádio que, na verdade, é um fonograma, vai conter as informações para que cada um envolvido receba pelo seu trabalho na canção que está tocando.

Maioridade

Acreditem, as músicas se tornam independentes um dia. Assim como os filhos ganham asas e voam pelo mundo, as canções também chegam a esse ponto. Nesse caso, chamamos de Domínio Público. É quando uma obra não possui o elemento do direito, ou seja, não há mais um dono. Ainda bem que o ou os genitores já estarão mortos a 70 anos, só depois de 70 da morte o autor ou do último dos co autores é que a música é de domínio público. Não só música como várias outras categorias, tipo fotografia, desenho, textos, projetos. Depois disso, a eternidade.

Para você que produz algo é importante saber dessas coisas para garantir todos os seus direitos sobre suas obras. Para você que não produz, é importante saber como funciona tudo por trás da sua música favorita, além de saber como foi o sentimento por trás daquela canção. E que nós busquemos sempre nos eternizar em algo tão sublime como uma canção inesquecível, não só em grandes obras como nas pequenas virtudes do cotidiano. Lembrem que somos todos conectados e que, só com muita sensibilidade, faremos um mundo melhor.

Até a próxima, amigos viajantes.

Email: luizinho@diretodacidade.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA