O script da história

0

A foto tirada por Lucas Landau viralizou nas redes sociais nos últimos 04 dias. A imagem de um menino negro de apenas 09 anos, a beira mar, pulsos entrelaçados, olhando fixamente para o céu e obviamente molhado foi compartilhada por diversas pessoas com legendas diferentes. Dentre tantas legendas: “Que essa imagem sirva de reflexão para o que podemos ser em 2018: mais sensíveis, mais tolerantes, mais inclusivos”, “Hipócritas” e todo tipo de interpretação foi dada, alguns se aproveitaram para atribuir culpados, inclusive o golpe (impeachment de Dilma Rousseff).

A repercussão da fotografia é pior porque na realidade denota como vimos o negro em nosso país. Talvez a criança estivesse apenas admirando os fogos e entre tantos costumes utilizados na Um discurso incoerente de comoção a dor de uma criança quando na verdade estamos automatizados á ideia de negro = pobre, criança negra=abandono, negro=falta de educação, negro=perigo. A imagem relatada por muitos como retrato da desigualdade e realidade do país apontando que ali há precariedade e sofrimento, levando em conta apenas o sujeito (criança negra, sozinha e sem camisa) é admitir que correlacionamos a negritude a esses elementos.

O roteiro da história! Ninguém questionou a massa branca que compôs o famoso vídeo de final de ano da rede globo. Para muitos, preconceito é quase que inexistente; a mídia ignora o genocídio negro e tem até quem fale em “racismo reverso”, como se fosse possível comparar um “toma um sol / ei branquelo” com ser visto como ameaça em lojas de departamento, bancos e toda sorte de estabelecimentos comerciais; comparar a morte de uma auxiliar de serviços gerais que teve seu corpo arrastado por 350 metros por um carro da policia militar em uma operação no MORRO DA CONGONHA, ser marginalizado e ver negros sendo vendidos na Líbia. Quanto se paga pela escravidão e discriminação ainda existentes no século XXI? Reféns do estereótipo. Baixaram os chicotes, levantaram os dedos.

Não sei o que você desejou pra 2018, não sei o que seus olhos viram na foto; desconheço suas ideias, mas se for possível ampliar seus horizontes para além da realidade que mata: negro é luta, sangue e suor. Negro é gente e cor da pele não é parâmetro pra definições de ideais, condição social e ensino.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA