Sobreviventes do Irma chegam ao Brasil após resgate com avião da FAB

Ele pousou de madrugada, trazendo 14 pessoas a bordo. Passageiros vieram da ilha caribenha de San Martin, devastada pelo furacão.

0
Foto: TV Globo/Reprodução

Sobreviventes do furacão Irma que estavam na ilha caribenha de San Martinchegaram na madrugada desta quarta-feira (13) a Brasília, a bordo de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Ele pousou a 1h30, com 14 pessoas a bordo, sendo 8 brasileiros.

O avião da FAB deixou o Brasil na segunda (11), fez escala em Nova York e chegou na terça de tarde a San Martin – território francês e holandês, onde pelo menos oito morreram com a passagem do furacão.

No começo da noite, o avião partiu da ilha com os brasileiros e os seis estrangeiros. Ele fez escala em Trinidad e Tobago para abastecer. Perto das 21h, decolou rumo à capital federal.

Segundo as autoridades, ainda existem brasileiros presos nas ilhas Tortola e Turcas e Caicos, que fazem parte das Ilhas Virgens Britânicas. O Itamaraty informou que está em contato com o governo do Reino Unido para planejar a retirada dos brasileiros nesses territórios.

Fora os oito brasileiros, estavam também a bordo dois venezuelanos. Segundo o Itamaraty, eles vieram por causa do acordo de assistência consular do Mercosul. O restante é de estrangeiros casados com brasileiros.

Os sobreviventes saíram da Base Aérea em vans do Itamaraty. Quatro seguiram direto para o Aeroporto de Brasília. Outros dez passaram a noite no hotel de trânsito do Grupamento da Guarda Presidencial.

Relatos

Quem sobreviveu e conseguiu chegar à terra natal sente um alívio difícil de descrever. Uma das resgatadas, Valéria Williams, disse que mora do lado holandês e estava sozinha com a filha quando o Irma passou. A casa dela foi uma das poucas que ficou em pé.

“Como brasileira, a gente não sabe o que esperar. Mas quando acontece, treme a casa até. E eu moro em uma casa de concreto superforte. Na verdade, não aconteceu nada, mas o barulho a gente vê as coisas caindo pela janela. Mas a iniciativa comunitária também foi muito rápida, a gente vê as pessoas montando o telhado novamente rápido.”

O chef de cozinha Ricardo Passareli ficou abrigado no hotel onde trabalha. “As janelas estavam explodindo para fora, outras para dentro, e vinha muita areia. Porque o nosso hotel é na areia, então junta com o vento, de 320 km/h a 350 km/h.”

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA